fbpx

Entre as dúvidas mais comuns dos prestadores de serviço geralmente está a questão relacionada à forma correta de cobrar pelo seu trabalho. Os profissionais do design estão incluídos nesse grupo e muitas vezes encontram dificuldades em precificar os serviços de desenvolvimento de projetos que realizam.

No mercado existe uma variação muito grande nos valores cobrados, mas, embora seja necessário ter noção dos preços médios, basear-se somente na concorrência pode ser um grande erro. Para que o valor que você vai cobrar pela concepção de uma peça seja coerente também com a sua situação e necessidade, é fundamental fazer um cálculo básico que leve em conta alguns fatores essenciais. Para saber como calcular o preço de seus serviços de design, confira o nosso post!

Entre as dúvidas mais comuns dos prestadores de serviço geralmente está a questão relacionada à forma correta de cobrar pelo seu trabalho. Os profissionais do design estão incluídos nesse grupo e muitas vezes encontram dificuldades em precificar os serviços de desenvolvimento de projetos que realizam.

No mercado existe uma variação muito grande nos valores cobrados, mas, embora seja necessário ter noção dos preços médios, basear-se somente na concorrência pode ser um grande erro. Para que o valor que você vai cobrar pela concepção de uma peça seja coerente também com a sua situação e necessidade, é fundamental fazer um cálculo básico que leve em conta alguns fatores essenciais. Para saber como calcular o preço de seus serviços de design, confira o nosso post!

4 passos para definir o valor de projetos de design

Tenha em mente, antes de mais nada, que estabelecer o preço do seu serviço significa literalmente atribuir valor ao seu trabalho, ou seja, avaliá-lo e determinar quanto ele vale – não só para você, mas também para o cliente.

Existem várias formas de fazer esse cálculo e chegar ao preço ideal. Normalmente, os designers costumam cobrar por hora de criação. No entanto, no valor da hora trabalhada devem estar considerados não só o seu tempo de dedicação, mas também as despesas e o retorno que você quer ter. Levando em conta esses itens e também outros fatores, preparamos um passo a passo para ajudar você a precificar os seus serviços de design:

  1. Estabeleça um salário mensal como meta

Em primeiro lugar, como você precisa ganhar o suficiente para pagar as contas e alcançar os seus objetivos, é necessário considerar uma meta em relação ao valor que você deseja e precisa receber mensalmente como designer. Se você não possuir uma meta e trabalhar sem se preocupar com o seu ganho mensal, no final do mês as contas podem não fechar.

  1. Determine o valor da sua hora de trabalho

Depois de estabelecer uma meta, você precisa calcular o seu valor-hora. Ele vai depender de quantas horas você vai trabalhar no mês, por exemplo: se você quiser ganhar R$3.000 e trabalhar 168 horas mensais (8 horas por dia, 21 dias por mês), o valor da sua hora de trabalho fica em torno de R$ 17,85.

Também é interessante que você inclua nessa conta o seu “tempo ocioso”, e para isso você precisa pensar em quanto tempo do seu expediente diário você gasta fazendo coisas relacionadas ao trabalho, mas não exatamente criando. Considere os intervalos e também o tempo de negociação com clientes, preparação de orçamentos, etc. Esse tempo vai definir a sua taxa de ocupação: se você calcular duas horas de tempo ocioso, em uma rotina de trabalho de 8 horas diárias ela será de 75%. Então, em vez de 168 horas de trabalho por mês, você precisa considerar 126 (168 x 0.75) e o seu valor-hora vai ficar R$ 23,80 (3.000/126).

  1. Calcule os seus custos e despesas

Você deve colocar nessa conta também os custos envolvidos na oferta do serviço e as despesas que possui para trabalhar. Nesse cálculo vão entrar as despesas fixas, como internet, telefone, aluguel e luz, por exemplo. Se você tiver funcionários, a folha de pagamento também precisa ser considerada. Depois de elencar esses itens e somar os valores, você vai pegar o total das despesas e dividir pelo número de horas mensais totais para adicionar ao preço da sua hora de trabalho. Por exemplo, se o total de despesas é R$ 1.000, você deverá acrescentar R$ 5,95 ao seu valor-hora (1.000/168) e ele vai ficar R$ 29,75.

Não esqueça que entre as despesas também devem estar incluídos os impostos, por isso é necessário ter noção da carga tributária que você recolhe como prestador de serviço. Se, por exemplo, você for MEI, deverá incluir a taxa mensal nessa conta; se for SIMPLES Nacional deve considerar o percentual fixo de imposto em cada trabalho. O seu contador pode ajudar a fazer a análise do gasto mensal da sua empresa com o pagamento de impostos.

  1. Considere outros fatores que podem influenciar o seu preço

Para cobrar um preço justo, é importante que você avalie também a complexidade e a exigência do projeto, o tipo de cliente e a visibilidade que a peça vai ter. Se o cliente for grande e o seu trabalho vai gerar um grande retorno para ele, isso significa que a sua criação tem um grande valor para o cliente – e você pode cobrar mais por ela. Mas, se o cliente for pequeno, pouco exigente e o trabalho não for muito complexo, considere cobrar um pouco menos.

Ajuste o valor quando necessário: preço ideal pode ser relativo

Você fez os cálculos e chegou ao seu valor-hora, mas, como vimos no último item, existem outros fatores que podem influenciar a determinação do seu preço. Portanto, esse valor não deve ser fixo e pode variar de acordo com o serviço que você for prestar: ele funciona como um preço base que pode ser ajustado conforme a situação.

Tenha bom senso também em relação ao contexto econômico, pois em alguns momentos pode ser necessário fazer pequenos ajustes no valor cobrado. É evidente que quem determina o limite dessa flexibilidade é você, afinal, como explicamos no passo a passo, o preço tem que ser adequado ao mercado, ao cliente, mas também à sua realidade.

Se você está procurando também caminhos para abrir a sua própria agência de design, veja este post sobre o assunto!

Gostou do post? Já está começando a precificar seus serviços e tem outras dicas além dessas que trouxemos? Comente aqui!

Comentários