Você tem o sonho de empreender, mas não tem noção sobre quanto custa abrir uma empresa no Brasil?

Bom, essa é uma dúvida muito comum entre aqueles que estão começando a planejar a concretização de um projeto. Contudo, não se preocupe: neste artigo vamos falar sobre as despesas envolvidas na abertura de um negócio.

Ter conhecimento sobre os custos de tirar uma ideia do papel é fundamental para que o empreendedor comece com o pé direito. O planejamento financeiro deve começar muito antes que a empresa esteja realmente formalizada e é um fator essencial para o sucesso dos negócios.

Sem planejamento, dificilmente uma empresa vai muito longe – fato comprovado pelas estatísticas sobre falência no país.

Já é sabido que empreender no Brasil não é uma tarefa fácil e nem barata. Começar um negócio próprio tem um alto custo e envolve muita burocracia. O processo pode ser bem esgotante e contar com o auxílio de um profissional da contabilidade é importante para evitar erros que podem estender muito – e encarecer – os trâmites.

No entanto, para deixar você menos desmotivado, temos também uma notícia boa: em comparação a como era no passado, atualmente é muito mais simples abrir uma empresa. Graças à internet e às novas tecnologias, hoje, dar os primeiros passos é bem mais simples.

Como estimar quanto custa abrir uma empresa?

Com a finalidade de não correr riscos desnecessários, antes de colocar a mão na massa, o empreendedor precisa focar em fazer cálculos. Para saber quanto custa abrir uma empresa, o ideal é fazer uma soma estimada de todos os custos envolvidos.

Uma noção realista do valor que deverá ser desembolsado deve considerar desde o investimento inicial, o capital social, as despesas fiscais e o registro da marca até os salários e o pró-labore. A seguir vamos tratar especificamente de cada um deles para esclarecer de que forma eles entram nessa conta.

Custos Fiscais

Estas despesas estão relacionadas às obrigações fiscais que a empresa deve cumprir, conforme as normas instauradas pelo seu estado e cidade. As taxas podem, portanto, variar, assim como as políticas de incentivo que podem deixar os valores mais baixos.

Há pelo menos quatro itens que fazem parte dos custos fiscais que devem ser incluídos nessa conta: o DARE (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais); DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais); taxa da Junta Comercial (destinada ao registro público da empresa); Certificado Digital (necessário para a emissão da nota fiscal eletrônica).

É importante destacar ainda que essas despesas fiscais variam também de acordo com o tipo de empresa que você for abrir. O Microempreendedor Individual (MEI) não deve pagar nada na hora da abertura, apenas uma taxa mensal.

Por outro lado, um Empresário Individual (EI) em São Paulo, por exemplo, irá pagar por volta de R$ 700 por esses custos. Sobre o valor dessas taxas, o empreendedor deve considerar também os honorários contábeis para arcar com os serviços do profissional que estará lhe orientando no processo.

Entenda quais são as obrigações contábeis, fiscais e previdenciárias das empresas

Investimento inicial

No cálculo relativo a quanto custa abrir uma empresa, também é preciso levar em conta o investimento inicial necessário para começar a operar. Esse montante deve abarcar todos os itens que o empreendedor irá precisar para abrir as portas do seu negócio.

Nesta parte da conta, você deve somar os gastos com a infra-estrutura, o espaço e a sua adaptação (a compra de um ponto, por exemplo, tem um valor elevado); os equipamentos (computadores, móveis, máquinas); a tecnologia (softwares e sistemas); estoque (no caso de investir no setor de vendas ou produção, por exemplo) e outros recursos fundamentais para o trabalho no dia a dia.

Não é fácil definir com precisão o valor do investimento inicial antes de começar a organizar tudo e ele também depende muito da atuação da empresa que você vai abrir. No entanto, um plano de negócios bem elaborado pode ser uma ferramenta muito útil nesse sentido.

Nele você deve determinar quais são as prioridades da empresa e as compras realmente necessárias nesse primeiro momento.

Capital social

O capital social é uma quantia que deve ser definida antes do registro da empresa na junta e deve estar declarada no Contrato Social. Trata-se do valor do investimento inicial feito por cada sócio que servirá para que a empresa opere enquanto ela ainda não estiver dando lucro.

Em teoria, o capital social corresponderia ao patrimônio líquido da empresa e reflete o seu potencial financeiro.

Capital Social: descubra o que é e como definir

Ele também representa uma espécie de garantia para terceiros. Este montante também varia de acordo com o tipo de empresa que você for abrir, já que existem regras diferentes para cada uma delas.

Para a formalização de uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), por exemplo, é necessário um capital social mínimo de 100 vezes o valor do salário mínimo.

Registro de marca

Para ter uma ideia realista de quanto custa abrir uma empresa, o registro de marca no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) também deve entrar nessa conta.

Embora não seja obrigatório, ele é essencial para assegurar a imagem do negócio. Portanto, depois de dar um nome à empresa e escolher também o nome fantasia, você terá que pensar na marca.

É importante fazer uma pesquisa antes de encaminhar o pedido de registro para verificar se já não existe uma marca com características semelhantes a sua.

A consulta custa cerca de R$ 200. Permitido o registro da marca, o empreendedor paga uma taxa (pode variar entre cerca de R$ 300 e R$ 1 mil) para garantir a sua exclusividade por 10 anos.

Descubra como funciona o registro de uma marca

Outros valores que devem entrar no planejamento

Há algumas despesas menos imediatas que também devem ser consideradas para responder a pergunta sobre quanto custa abrir uma empresa. É o caso da folha de pagamento, ou seja, os salários dos funcionários.

Nos primeiros meses do negócio, antes que o faturamento seja suficiente para o negócio se sustentar, esse valor irá sair do seu bolso – e por isso a importância dele entrar no cálculo.

O pró-labore também é outra definição importante nesse momento pré-abertura. Trata-se do “salário” que será pago ao dono e aos demais sócios da empresa. É evidente que no início esse valor não poderá ser muito alto, porém, é fundamental que você leve ele em consideração entre os custos fixos do negócio.

Se você quer que o seu negócio cresça, além de contar com os serviços de um contador, é crucial elaborar um planejamento financeiro bem completo, estimando todas os custos e despesas envolvidos na abertura e no momento inicial da empresa.

Se você procura uma consultoria jurídica para ajudar na constituição da sua empresa, deixe seu contato!


Comentários