fbpx

A decisão entre ter um sócio ou administrar uma empresa sozinho é um passo importante e demanda muita reflexão, especialmente de quem está montando o seu primeiro negócio. Se você está começando a sua empresa e ainda não tem muita clareza sobre quando ter e como escolher um sócio, vale a pena conferir essas dicas!

Uma das principais razões pelas quais inúmeras empresas fracassam está relacionada aos desentendimentos e desgastes entre os sócios. A falta de definição sobre as funções dentro da sociedade, divisão de lucros, uso de bens da empresa e até a política de férias podem se transformar em uma espécie de bomba relógio, quando o acordo entre os sócios não é muito bem alinhado. Além de um bom contrato, é fundamental contar com uma certa dose de afinidade e até complementaridade, já que uma sociedade costuma funcionar de forma muito parecida com a de um casamento.

A decisão entre ter um sócio ou administrar uma empresa sozinho é um passo importante e demanda muita reflexão, especialmente de quem está montando o seu primeiro negócio. Se você está começando a sua empresa e ainda não tem muita clareza sobre quando ter e como escolher um sócio, vale a pena conferir essas dicas!

Quando ter sócios?

Ter um sócio não é algo obrigatório ou mesmo imprescindível para quem quer empreender. Existem diversos tipos societários onde é possível administrar uma empresa sozinho, sem a necessidade de outra pessoa para realizar o gerenciamento ou o financiamento do negócio.

Por isso, a opção por ter ou não um sócio deve levar em consideração não apenas o momento inicial, onde é comum existir um certo entusiasmo. A decisão sobre ter ou não um sócio deve considerar fatores objetivos e subjetivos que envolvem os interesses da empresa e as expectativas sobre o seu futuro.

A escolha de um sócio pode ser muito positiva quando o empreendedor não possui todo o capital necessário para tirar a sua empresa do papel, por exemplo. Em situações como esta, reunindo recursos e esforços, pode ser muito mais fácil administrar uma empresa.

Um sócio também pode ser muito bem-vindo quando o empreendedor não possui todo o conhecimento específico que necessita para atuar no mercado que pretende. Além disso, caso não tenha muita experiência com a administração de empresas, a presença de um sócio mais habilitado pode ser algo muito favorável para a empresa.

Para todas essas opções, no entanto, é importante considerar que sempre existem alternativas. No caso da falta de recursos financeiros, nada impede o empreendedor de buscar um empréstimo junto a instituições financeiras ou empresa de cessão de crédito, por exemplo. Vale sempre considerar as taxas e os juros, além do risco do empréstimo, antes de avaliar os benefícios da  sociedade.

Da mesma forma, quando falta conhecimento ou know how técnico, a contratação de um consultor também pode ser uma opção. Por isso, converse com profissionais, faça um orçamento deste tipo de serviço e avalie com calma se mesmo assim a sociedade vale a pena.

Como escolher?

A escolha de um sócio é outro fator complexo, que deve levar em consideração diversas variáveis. Primeiramente, procure buscar alguém que seja compatível com a sua forma de ser. Lembre-se que a administração requer dedicação e comprometimento e isso deve ocorrer mesmo nos cenários de dificuldade. Avalie a forma como o futuro sócio reage às situações de pressão e cenários de adversidade, antes mesmo de tomar a decisão.

Outro fator que deve ser levado em consideração é a questão da complementaridade, ou seja, você deve avaliar se você e seu sócio contam com habilidades complementares que são essenciais ao bom funcionamento do negócio. Se você tem experiência e é bom na área de vendas, procure alguém que tem o perfil mais administrativo, por exemplo.

Os valores em comum também é outra questão que deve pesar na escolha. Afinal, a administração de uma empresa não envolve apenas planejamento, distribuição ou produção. Diariamente, os sócios serão confrontados com questões éticas e morais e precisam compartilhar da mesma visão muitas vezes, para que a solução de qualquer questão não se torne uma discussão.

Uma boa dica é escolher alguém que não seja muito parecido com você ou sua forma de atuar. Isso pode ajudar a ter diferentes pontos de vista que, quando bem alinhados, podem fortalecer a empresa.

E, finalmente, a questão do comprometimento deve ser avaliada antes de se tomar a decisão. É importante contar com um sócio que esteja não apenas participando da sociedade, mas também esteja comprometido com os seus resultados. Caso o risco do fracasso seja comum aos dois, a chance de o comprometimento ser maior entre as partes é ainda maior. Por isso, avalie.

Expectativas, objetivos e contrato social

No início de um negócio é muito comum que os envolvidos contem com uma série de expectativas com relação à futura empresa. Por isso, para evitar frustrações, é fundamental alinhar as expectativas de forma exaustiva, discutindo sempre o que cada sócio espera do outro e também da empresa.

Outra questão importante que deve ser levada desde o início é o futuro da empresa, ou seja, onde ambos querem chegar com aquele negócio. Os objetivos devem ser comuns para evitar atritos e desgastes dentro da sociedade.

A formalização de todas as empresas que contam com sócios pressupõe a formação de um contrato social, um documento onde ficam registradas todas a obrigações e atribuições dos sócios, bem como, a responsabilidade que assumem perante a empresa.

O contrato social deve ser redigido por um advogado e não deve ser encarado como um documento proforma. É importante realizar reuniões para estabelecer objetivos, alinhar expectativas, antes mesmo de definir as obrigações e demais temas relativos à sociedade, como participação nos lucros, pró-labore entre outros.

Não existe uma receita única para definir uma boa sociedade, por isso, explorar, conversar e alinhar expectativas, obrigações e desejos já é um grande passo. Procure agir sempre com transparência deixando claro aquilo que espera do seu sócio.

Contar com o auxílio de um profissional para determinar o modelo societário e também facilitar o diálogo entre os sócios é uma ótima medida que pode influenciar no sucesso futuro do negócio.

Você tem dúvidas sobre como e quando escolher um sócio para a sua empresa? Então deixe seus comentários abaixo, e não deixe de conferir o passo a passo para abrir sua empresa e não ter dores de cabeça, nem com sócios, nem com a burocracia!

Comentários