fbpx

Desde janeiro de 2017, a Receita Federal e a Secretaria da Fazenda deixaram de disponibilizar o software gratuito para a emissão de notas fiscais eletrônicas. A descontinuidade desse emissor NF-e obrigou muitas empresas a buscarem novas alternativas para emissão de nota fiscal. Neste artigo, vamos falar sobre as melhores formas de continuar gerando NF-e sem o programa da Sefaz.

Desde janeiro de 2017, a Receita Federal e a Secretaria da Fazenda deixaram de disponibilizar o software gratuito para a emissão de notas fiscais eletrônicas.

A descontinuidade desse emissor NF-e obrigou muitas empresas a buscarem novas alternativas para emissão de nota fiscal. Neste artigo, vamos falar sobre as melhores formas de continuar gerando NF-e sem o programa da Sefaz.

Como parte do processo de implantação da obrigatoriedade da utilização da nota fiscal eletrônica, a Secretaria da Fazenda disponibilizou até recentemente um programa gratuito de emissão de NF-e. No entanto, segundo o órgão, a partir de 2006, houve uma queda significativa no uso da ferramenta.

Isso aconteceu porque muitas empresas buscaram soluções mais completas que atendessem melhor às suas necessidades. A baixa utilização do programa levou a Sefaz a repensar o aplicativo. Na verdade, ele já estava muito aquém de outras alternativas para emissão de nota fiscal disponíveis no mercado.

Nota fiscal e nota fiscal eletrônica

Toda a venda, movimentação de mercadoria ou prestação de serviços devem ser realizadas mediante a emissão de nota fiscal. Essa é provavelmente uma das obrigações acessórias mais conhecidas dos empresários – sejam eles grandes ou micro.

O documento serve para registrar as operações e permitir o controle de tributação relacionado à comercialização de produtos e serviços pelas empresas.

Até 2005, existia no Brasil apenas a nota fiscal “física”. O processo era bastante burocrático e envolvia o cadastro na Secretaria da Fazendo do Estado, a solicitação de autorização para a emissão de talões e o controle contábil para o recolhimento de impostos.

A substituição da nota fiscal pela nota fiscal eletrônica (NF-e) tornou esse procedimento muito mais simples e prático. Além de diminuir a quantidade de papéis e a burocracia envolvida na emissão de notas, o objetivo do governo era também melhorar a fiscalização.

Com a digitalização do processo, a Secretaria da Fazenda tem acesso automático às notas fiscais e consegue monitorar todas as etapas da circulação de mercadorias e serviços.

As empresas, porém, também obtiveram muitas vantagens com a NF-e. Em função da mudança, muitas conseguiram economizar recursos, centralizar o faturamento, melhorar a logística e agilizar a administração contábil.

Como funciona a emissão da NF-e

Inicialmente, esse documento digital foi idealizado para empresas optantes do Simples Nacional e para Microempreendedores Individuais (MEI). Hoje, as outras empresas também já estão aderindo à nota fiscal eletrônica para aproveitar os benefícios que acabamos de citar.

O procedimento para começar a emitir a NF-e é composto basicamente por três etapas: a aquisição do certificado digital, o cadastro junto à Secretaria da Fazenda e o acesso a um software para emissão da nota.

O empreendedor deve primeiramente adquirir um certificado digital. Ele tem a função de confirmar a autenticidade da assinatura e assegurar que as informações apresentadas na nota são verdadeiras. A aquisição deve ser feita por meio de uma autoridade certificadora credenciada, como a ICP-Brasil (Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira).

O segundo passo é o credenciamento na Secretaria da Fazenda onde a empresa está localizada. O cadastro é simples, mas é útil contar com o auxílio de um contador para atender aos detalhes específicos do Estado em questão.

Por último – mas não menos importante –, a empresa precisa de um programa emissor de NF-e instalado no computador. Nesse software você insere os dados para emissão de notas fiscais eletrônicas relacionadas a diferentes eventos, como vendas ou devoluções de mercadorias.

Essa plataforma compila as informações da sua empresa, do cliente e do produto ou serviço em um formato de arquivo aceito pela Secretaria da Fazenda. A partir disso, o programa envia esse arquivo para a emissão da NF-e.

Quais são as melhores alternativas para emissão de nota fiscal

Com a descontinuidade do emissor de NF-e da Sefaz, muitos empreendedores se viram obrigados a ir em busca de alternativas para emissão de nota fiscal. Por outro lado, a maioria já havia desistido de utilizar o software gratuito da Sefaz, que era, na verdade, bastante limitado.

De qualquer modo, visto que atualmente a possibilidade de contar com esse programa não existe mais, é necessário entender quais são os requisitos de um emissor de NF-e e qual é a melhor solução para a sua empresa.

Os softwares de ponta permitem que você acompanhe o arquivo enviado, informando se a nota fiscal foi aceita ou se algum problema surgiu – como dados divergentes, por exemplo. Dessa forma, você tem acesso ao status da situação e sabe se a nota foi aprovada, rejeitada ou denegada.

Contar com um bom sistema também garante que você possa cancelar, substituir ou incluir uma carta de correção para as NF-e.

Hoje em dia existem outros programas gratuitos que são alternativas para emissão de nota fiscal eletrônica. O Novo Emissor é uma dessas ferramentas que podem ser utilizadas gratuitamente para substituir o software do governo. Nele é possível emitir os principais tipos de NF-e utilizados por empresas optantes pelo Simples Nacional.

Outra opção que pode ser usada de forma gratuita é o Emissor Gratuito NFe. Esse software permite a emissão de até 500 notas fiscais por mês e oferece também armazenamento dos documentos por até cinco anos.

A melhor solução para a sua empresa

No entanto, a melhor alternativa para emissão de nota fiscal é certamente escolher uma ferramenta que, além de emitir NF-e, também facilite a gestão da empresa. Nesse sentido, as plataformas digitais, como aquela oferecida pela Osayk Contabilidade Online, são a melhor solução.

Nesse ambiente online completo e elaborado, você pode emitir notas de forma prática em diversos municípios, realizar conciliação bancária e também tem acesso a um programa de gestão financeira. Essa ferramenta é, portanto, muito mais do que um simples emissor de NF-e, pois permite um controle total das finanças da empresa

Comentários

Leia mais:
Riscos que você precisa saber antes de abrir uma empresa

Se você pensa em abrir uma empresa, provavelmente já ouviu que todo negócio implica em risco. No entanto, no universo...

Fechar